Sentimento Mediano

"Temos tantos sentimentos, que é frequente persuadir-nos de que somos sentimentais..."

Iratã

.
.

Aisó iracema aúa
Auati ananã
Amanajé amanará
Yasai Yara

Iandê aram aracê
Arapuca andira
Ira atã
Ira atã

Anauê Rudá

Formosa mulher dos lábios de mel
Dourada fruta cheirosa
Mensagem de dia Chuvoso
Choro da Deusa das águas
Yasai Yara

És o Sol do Amanhecer
Armadilha para a tristeza
Forte doçura
Forte doçura

Salve o Deus do Amor

_

17 comentários:

Carlos Vin 11 de junho de 2009 20:18  

Parece uma cantiga cara, ficou bacana...
Lendo no inicio eu fiquei com medo de ser algum ritual...rs

Um abraço!!

Viviane Souza 11 de junho de 2009 20:20  

O amor está no ar... será que é influência do dia dos namorados?!

melke 11 de junho de 2009 20:22  

kkkkkkkkkk
e pensei a mesma coisa... essas palavras estranhas assustam..

Mais uma coisa... gostei da musica q tava tocando quando entrei.. mas atrapalhou de ler... e se eu tivesse ouvindo outra coisa ia atraplar..

JuANiTo 11 de junho de 2009 20:32  

A língua inicial é tupi-guarani.

>)

Igor 11 de junho de 2009 20:54  

boa poesia, apesar de nao gostar muito de temas indianistas mas ta massa....

avassaladorasrio 12 de junho de 2009 09:28  

Querido amigo avassalador...
Bela poesia impregnada de religiosidade mistica...
Voce mesmo fez?

ninainwonderland 12 de junho de 2009 09:29  

apesar de não ter entendido a primeira parte, gostei do poema :)

JuANiTo 12 de junho de 2009 09:33  

Todo o blog é de minha autoria. >)
A 2ª Parte é o significado da primeira.

Abraço

Ailton Sobrinho 12 de junho de 2009 09:39  

Um pouco original demais... Prefiro ler sempre coisas mais concretas. Mas isso não tira o mérito de sua criação...

Fábio Flora 12 de junho de 2009 10:28  

Poema cheio de sonoridade, repleto de Iracema! Abraços e sucesso com o blog!

Blog do 12 de junho de 2009 10:43  

E salve mesmo o Deus do Amor, adorei muito pense que coisa linda, principalmente o trecho "Formosa mulher dos lábios de mel
Dourada fruta cheirosa" muto linda continue escrevendo coisas lindas assim.

Vício, também é muito linda.

BLOGdoRUBINHO
www.blogdorubinho.cjb.net

Sou blogueiro - INDICOESSE 12 de junho de 2009 10:58  

Só entendi da metade pra frente, rssss

Parece José de Alencar escrevendo!

michele 12 de junho de 2009 14:05  

a primeira parte é o que?? dialeto indígena??

vi seu comentario no meu blog...meu marido sabe sim do meu blog =p

mas eu acho que ele não lê não \o/

bjokaa

Daniel Silva 14 de junho de 2009 10:11  

ops, e la vai agua...

valeu por passar no meu blog que já está atualizado, quando puder convido a passar novamente!

http://apenas-daniel.blogspot.com/

Filhas da PUC 14 de junho de 2009 16:31  

Verdes mares bravios de minha terra natal, onde canta a jandaia, nas frondes da carnaúba.
Verdes mares, que brilhais como líquida esmeralda aos raios do sol nascente, perlongando as alvas praias ensombradas de coqueiros.

Hahaha, é o início de Iracema. Eu tinha decorado a próxima parte, mas não lembro mais. Beijoca

Tolerância Zero 16 de junho de 2009 09:35  

isso ta mais pra ponto de umbanda que pra poesia! ta parecendo a margaret menezes

Blog do 16 de junho de 2009 20:39  

Lindo texto

Adorei o trecho

Formosa mulher dos lábios de mel
Dourada fruta cheirosa
Mensagem de dia Chuvoso
Choro da Deusa das águas
Yasai Yara

BLOGdoRUBINHO
www.blogdorubinho.cjb.net